Autoconhecimento

9 maneiras de conquistar a felicidade através do Eneagrama

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O ENEAGRAMA é uma palavra de origem grega, que quer dizer “ENEA” (nove) e ‘GRAMMOS” (figura) – portanto, o ENEAGRAMA é uma figura geométrica de nove pontas que representa nove tipos de personalidade, nove maneiras de pensar, sentir e agir.

Todos nós possuímos características de todos os tipos, mas, de acordo com as nossas experiências e visão de mundo, principalmente na primeira infância, fortalecemos as características de um tipo onde desenvolvemos a nossa personalidade. Portanto, cada um de nós possui um tipo no eneagrama, e, este tipo não muda ao longo da nossa existência. O que acontece é que neste “mesmo tipo” vamos evoluindo em nível de consciência.

Acreditamos que a felicidade é algo que está no nosso exterior, no “ter e fazer” mais do que no nosso interior, no SER. Por isso a ideia que prevalece no mundo moderno é que quanto mais eu tenho, mas eu sou feliz.

Cada tipo do eneagrama tem um caminho para atingir a felicidade, vamos a eles:

TIPO 1 – O PERFECCIONISTA:

Principal crença: “Eu tenho que ser perfeito para merecer a felicidade”.

O principal medo:  Ser mau, errar e receber críticas, por isso sou extremamente responsável e educado.

A ilusão do ego: A felicidade pode ser comprada com bom comportamento.

O pedido do coração: Permita que a alegria, a diversão, o lazer, o amor, ternura e gratidão invadam a sua vida.

Decreto: “Eu aceito a mim mesmo, pois sou perfeito do que jeito que sou”.

TIPO 2 – O DOADOR:

Principal crença: Devo abdicar das minhas necessidades e me sacrificar pelos outros, para merecer a felicidade”.

O principal medo: Não ser amado e querido por ser feliz (a felicidade é egoísta).

A ilusão do ego: A felicidade é obtida quando me dôo para as pessoas e reprimo as minhas necessidades.

O pedido do coração: Permita reconhecer as suas próprias necessidades e ter consciência de que também necessita de atenção e cuidados.

Decreto: “Cuidar de mim mesmo, reconhecer e expressar minhas necessidades são um presente para os outros.”

TIPO 3 – O REALIZADOR:

Principal crença: A felicidade é conquistada com trabalho árduo e recompensas. Preciso ganhar a felicidade.

O principal medo: Eu não serei valorizado e não serei feliz a não ser que eu faça acontecer.

A ilusão do ego: “Quanto mais sucesso eu obtiver, mais feliz eu serei”.

O pedido do coração: “Apenas seja você, autêntico! Entenda que você não é o que você faz”.

Decreto: “Eu não sou os meus resultados, ser o que eu sou, me basta”.

TIPO 4- O DRAMÁTICO:

Principal crença: “Eu tenho que sofrer para encontrar a felicidade”. De qualquer jeito a vida vai sempre me trazer sofrimento e vazio.

O principal medo: A felicidade não é para mim, não sou elegível para ser feliz.

A ilusão do ego: O sofrimento me faz ser único e especial.

O pedido do coração: “Encontre o equilíbrio emocional e entenda que todas as pessoas são iguais, nem superiores, nem inferiores.

Decreto:  Me sinto totalmente amparado pela fonte divina e vivo com alegria e felicidade.

TIPO 5- O OBSERVADOR:

Principal crença: “Para ser feliz eu preciso entender o que é a felicidade”.

O principal medo:  Não sou capaz de ser feliz. Ser feliz requer muita energia da minha parte e acho que não dou conta.

A ilusão do ego: Prefiro saber, entender e estudar sobre a felicidade do que “me jogar” nela.

O pedido do coração:  O universo é abundante e quanto mais você dá mais você recebe!

Decreto: Eu me coloco no fluxo do universo e sinto que a felicidade flui através de mim.

TIPO 6 – O PRECAVIDO:

Principal crença: Eu duvido que a felicidade exista.

O principal medo: Não existe segurança na felicidade, eu preciso estar alerta , pois sempre pode ocorrer algo perigoso.

A ilusão do ego:  A felicidade precisa de garantias, caso contrário sempre haverá algo para destruí-la.

O pedido do coração:  Tenha coragem, aja pelo coração, acredite em si mesmo.

Decreto: “Eu sou responsável por minha existência e felicidade. Vivo a alegria da vida pois ela é a minha orientação e o meu guia.

TIPO 7- O OTIMISTA:

Principal crença: “A felicidade está nos prazeres da vida”.

O principal medo: A felicidade pode ser um tédio, se for feliz, terei que parar de viver intensamente os estímulos da vida.

A ilusão do ego: A felicidade não é baseada naquilo que você tem e no mundo externo, mas no que você é, no mundo interno.

O pedido do coração: Pare de buscar a felicidade no mundo externo, ela está em cada momento da sua vida, no sentir e no viver cada instante como sendo único.

Decreto: Eu vivo o momento presente porque ele é o único que me faz  feliz.

TIPO 8 – O PODEROSO:

Principal crença: A felicidade está na minha independência e na minha força.

O principal medo: A felicidade é algo muito suave para este mundo real e assim sendo, posso me machucar.

A ilusão do ego: Não dá para controlar a felicidade, as pessoas e nem a vida. Você não é o todo poderoso. A verdadeira força vem da rendição, de entender que existe uma verdade superior, que não é a sua.

O pedido do coração: Olhe para dentro de si e acesse a sua inocência, a pureza da criança que vive em você, sem pensar na vingança no “olho por olho”, dente por dente” que são apenas mensagens do seu ego.

Decreto:  Eu equilibro a minha força e suavidade e me abro para a verdade divina.

TIPO 9 – O PACIFICADOR:

Principal crença: “Viver a felicidade do outro é mais relevante do que a minha própria. Se o outro é feliz eu sou feliz”.

O principal medo: Se vivo a minha felicidade posso causar desconforto para o meu entorno.

A ilusão do ego: Se sou feliz parece que tenho mais valor e maior importância do que os outros, por isso prefiro renunciar a minha felicidade.

O pedido do coração: Faça o que tem para fazer agora, não espere para depois, valorize-se, você é extremamente importante, lembre-se: todos nós estamos conectados através do amor.

Decreto: Sou protegido, amparado e inseparável de um universo benéfico e pleno de amor e bênçãos.

De fato, nós seres humanos desenvolvemos muitas crenças que nos limitam ao longo da vida, sendo uma das principais a de que “não somos merecedores da felicidade”, e isto, nos leva ao sofrimento e a dor.

A boa notícia é que através do processo de autoconhecimento que o eneagrama propicia, temos condições de “ir a fundo” nos aspectos do nosso ego-personalidade, dos nossos medos, culpas e crenças e trazer mais luz à consciência, galgando estágios que nos levam cada vez mais próximos da essência com pensamentos e emoções mais saudáveis , como a alegria, liberdade, amor, autoconfiança , que nos levam a uma vida mais plena e feliz.

Autor

Profissional de desenvolvimento humano realizando programas de Life Coaching, Terapias Vibracionais e Eneagrama em SP

Deixe seu comentário